Banner Pancosma abaixo artigo principal nutriBR
17 Mar 2022

Inclusão de ácido guanidinoacético pode poupar arginina para frangos de corte

Até que ponto o ácido guanidinoacético pode diminuir a inclusão de arginina?

Inclusão de ácido guanidinoacético pode poupar arginina para frangos de corte

melhor da semanaO ácido guanidinoacético (AGA) é precursor natural da creatina, e pode ser adicionado às rações. O AGA fornecido atua como um substrato energético havendo menor degradação proteica com desvio de aminoácidos para a gliconeogênese, melhorando o desempenho das aves.

A creatina desempenha um papel vital no metabolismo energético e na formação dos músculos e outros tecidos do corpo. Ela á encontrada em produtos de origem animal, por ser estocada principalmente nos tecidos musculares. Sendo assim, não é encontrada nos vegetais.

As rações compostas basicamente por ingredientes de origem vegetal, como o farelo de soja e o milho, ou com baixas quantidades de ingredientes de origem animal não são capazes de atender a demanda diária de creatina dos animais.

Apenas dois terços das necessidades diárias de creatina podem ser sintetizadas endogenamente e o restante deve ser suplementado através da alimentação.

Itpsa nutri br 0722 zinpro robapaginas

 

Apesar dos ingredientes de origem animal serem fontes ricas de creatina, o processamento e o tratamento térmico diminuem significativamente seus teores. A

ssim, a creatina dietética ou seus precursores são naturalmente baixos em dietas com baixo teor de proteína bruta (PB), pois normalmente nessas dietas menos farinhas proteicas e mais aminoácidos são usados.

ABvista
Vetanco
perstorp-pt
agriNews FM pt

Isso coloca um fardo adicional na síntese de novo de creatina, que não é adequada para atender às necessidades da ave e, portanto, o desempenho de crescimento dos frangos pode ser comprometido.

 

A creatina é responsável pelo fornecimento de energia temporária, além de realizar o transporte de energia entre o sítio de produção e o local de seu consumo e fazer a manutenção da taxa de ressintese de ATP/ADP, sendo importante no processo de contração muscular.

É sintetizada endogenamente a partir dos aminoácidos arginina (Arg) e glicina (Gly). Quando Gly recebe um grupo guanidina de Arg em uma reação catalisada principalmente no rim, onde é produzido o ácido guanidinoacético (AGA). O GAA é então transportado para o fígado e lá é submetido a diversas reações para formar a creatina.

Essa creatina é transportada do fígado para as células de alta demanda energética, como:
aplicação de enzimasMúsculos esqueléticos,
Coração e
Cérebro,

E é fosforilada para formar fosfocreatina. A fosfocreatina converte o difosfato de adenosina (ADP) em trifosfato de adenosina (ATP) durante sua desfosforilação.
Assim, creatina celular serve como uma molécula de armazenamento de energia e pode produzir ATP sob demanda para fornecimento de energia.

Isso é particularmente importante durante períodos de alta demanda de energia, como o rápido crescimento muscular em frangos de corte, e evita a formação de substâncias reativas ao oxigênio que afetam negativamente o desempenho.

Como descrito acima, dois aminoácidos Arg e Gly são os precursores para a síntese endógena de creatina, ambos limitantes em dietas com baixo teor de PB.
A formação de AGA a partir de Arg e Gly é regulada por um mecanismo de feedback negativo que envolve as concentrações circulantes de creatina e ornitina.

Assim, a síntese de creatina e sua concentração nos tecidos musculares não podem ser aumentadas além desses níveis regulatórios simplesmente fornecendo Arg ou Gli em dietas com baixo teor de PB. A suplementação dietética de AGA contornaria esse mecanismo de regulação da taxa para aumentar a síntese de creatina no corpo.

Embora a suplementação dietética de L-Arg tenha menos efeito no metabolismo energético e nas concentrações de creatina muscular, a suplementação dietética de GAA mostrou melhorar o nível de creatina muscular, a proporção de fosfocreatina para ATP nos músculos e aumentou o nível sérico de Arg.

Um estudo recente (Sharma et al., 2022) foi conduzido para determinar até que ponto o AGA pode poupar Arg em frangos de corte com dietas moderadamente baixas em PB. Além disso, ele testaram também a suplementação de betaína, que pode oferecer benefícios adicionais no desempenho de crescimento, rendimento de carcaça e qualidade da carne. Os tratamentos foram:

Dietas com baixo teor de PB com GAA, onde 0,1% adicionado de L-Arg foi poupado por GAA em 50, 100 e 150% com e sem betaína 0,1%.
Os tratamentos foram oferecidos nas fases de crescimento (d 10−24) e terminação (d 25 −42).

Esses autores recomendaram que o ácido guanidinoacético pode ser usado para substituir 150% de Arg em dietas de PB moderadamente baixas oferecidas a frangos de corte para desempenho de crescimento, qualidade de carne e conversão ou produção comparáveis de creatina.

Para maior eficiência alimentar e maior deposição de creatina muscular, maiores taxas de reposição podem ser consideradas. O aumento da taxa de conversão alimentar e do peso da gordura abdominal são os principais problemas em frangos de corte alimentados com dietas com baixo teor de PB, mas uma substituição parcial da Arg dietética por AGA pode ajudar a resolver esses problemas.


O uso de AGA pode ser uma estratégia nutricional para a implementação bem-sucedida de um programa de alimentação de baixa PB para frangos de corte.

Nucleovet 062022
zinpro robapaginas
ABvista
SIAVS
Relacionado com Nutrição Animal
Alltech rp
Nucleovet 062022
ABvista
Vetanco

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.