Chocolate e pets: porque essa combinação pode ser perigosa?

13 Apr 2022

Chocolate e pets: porque essa combinação pode ser perigosa?

Chocolate e pets: porque essa combinação pode ser perigosa?

Os animais de estimação podem ser expostos a uma ampla variedade de produtos de chocolate e cacau, incluindo doces, bolos, biscoitos, brownies, suprimentos de panificação (gotas de chocolate, cacau em pó).
A maioria das exposições acidentais de chocolate em animais de estimação ocorre em feriados, como a Páscoa e Natal, quando o chocolate é mais prevalente na casa.
Por causa de seus hábitos alimentares com menor seletividade, os cães são mais afetados do que os gatos.
O chocolate é derivado das sementes torradas de Cacau (Theobroma cacao) e seus princípios tóxicos são as metilxantinas:

  • Teobromina (3,7-dimetilxantina) e
  • Cafeína (1,3,7-trimetilxantina).

A teobromina também é encontrada no chá, bebidas à base de cola e outros alimentos. O consumo do cacau, dependendo da quantidade e do tamanho do animal, pode resultar em arritmias cardíacas potencialmente fatais e disfunção do sistema nervoso central.
O chocolate é tóxico especialmente em cães menores, embora uma dose tóxica dependerá de fatores como:

  • Se o cão comeu o chocolate com o estômago vazio,
  • Se o cão é particularmente sensível ao chocolate e
  • O tipo de chocolate: chocolate meio amargo, chocolate ao leite e o chocolate branco

O teor de metilxantina
O componente tóxico mais importante do chocolate – o alcalóide metilxantina teobromina está presente em concentrações variáveis dependendo da tipo do chocolate – quanto mais escuro ou mais rico em sólidos de cacau, mais perigosa é a preparação. Cacau em pó e chocolate de cozinha são as formas mais tóxicas.

Nucleovet 062022 Yes

Tabela 1. A concentração total de metilxantina no chocolate

Tipo de produto A concentração total de metilxantina
Cacau em pó seco 28,5 mg/g
Chocolate sem açúcar (de padaria) 16 mg/g
Casca da semente de cacau 9,1 mg/g; 0,5-0,85% de teobromina
Chocolate meio amargo 5,4–5,7 mg/g
Chocolate ao leite 2,3 mg/g
Bombons de chocolate refinados 1,4–2,1 g/kg
Chocolate branco Quantidade insignificante de metilxantinas
Sementes de cacau 1–2% de teobromina

A quantidade de teobromina encontrada no chocolate é suficiente para causar envenenamento em animais que metabolizam lentamente a teobromina. Embora a concentração de teobromina no chocolate seja de 3 a 10 vezes a da cafeína, ambos os constituintes contribuem para a síndrome clínica observada na toxicose do chocolate.

Doses tóxicas
Um cão de 10 quilos pode ser seriamente afetado se comer um quarto de um pacote de 250 g de cacau em pó ou metade de um bloco de 250 g de chocolate de cozinha. Esses tipos de chocolate contêm dez vezes mais teobromina do que o chocolate ao leite.
Assim, um bolo com cobertura de chocolate pode ser um risco real para a saúde de um cão pequeno. Mesmo lamber uma parte da cobertura de chocolate de um bolo pode deixar um cachorro doente. Um bloco de 250 g de chocolate ao leite pode afetar um cão.
O tamanho do animal vai afetar nos sintomas. Quanto menor o cão, menos ele precisa comer para ser intoxicar. Um cão de 20 kg, por exemplo, terá um desconforto intestinal depois de comer menos de 240 g de chocolate amargo, mas não necessariamente apresentará bradicardia ou taquiarritmia.
De acordo com o Merck Veterinary Manual (1998), aproximadamente 1,3 g/kg do chocolate de padaria é suficiente para causar sintomas de toxicidade, e. uma barra de chocolate típica de padeiro de 25 g seria suficiente para trazer sintomas em um cão de 20 kg.
Os efeitos negativos dependem da dosagem, do tamanho do cachorro e do tipo de chocolate. A LD50 de metilxantinas em animais são:
Cafeína em cães: 140 LD50 (mg/kg)

ABvista
Nucleovet 062022
perstorp-pt
Alltech rp

Teobromina em cães: 250 – 500 LD50 (mg/kg)

Teobromina em gatos: 200 LD50 (mg/kg).

 

LD significa “Dose Letal”. LD50 é a quantidade de um material, dado de uma só vez, que causa a morte de 50% (metade) de um grupo de animais de teste.

Absorção, distribuição, metabolismo e excreção
A teobromina e a cafeína são prontamente absorvidas pelo trato GI e amplamente distribuídas por todo o corpo. Elas são metabolizados no fígado e sofrem reciclagem entero-hepática e então excretadas na urina como metabólitos e compostos originais inalterados. Nas fezes é encontrado em pouca quantidade.
Esses compostos também passam facilmente no leite de animais lactantes. As meias-vidas de teobromina e cafeína em cães são 17,5 h e 4,5 h, respectivamente.

Mecanismo de ação
As metilxantinas causam um antagonismo competitivo dos receptores celulares de adenosina. A inibição dos receptores de adenosina causa:

As metilxantinas também aumentam os níveis de cálcio intracelular, aumentando a entrada de cálcio celular e inibindo o sequestro intracelular de cálcio pelo retículo sarcoplasmático dos músculos estriados. O efeito final é o aumento da força e da contratilidade do músculo esquelético e cardíaco.
As metilxantinas também podem competir pelos receptores de benzodiazepínicos no SNC e inibir a fosfodiesterase, resultando em níveis aumentados de adenosina monofosfato cíclico (AMP). Eles também podem aumentar os níveis circulantes de epinefrina e norepinefrina

Acredita-se que a inibição competitiva dos receptores celulares de adenosina cause a maioria dos sinais observados em animais com toxicose por metilxantina, incluindo estimulação do sistema nervoso central, diurese e taquicardia.

Sinais clínicos

Os sinais clínicos de toxicose geralmente ocorrem dentro de 6 a 12 horas após a ingestão, por exemplo:

Estes podem evoluir para desidratação, inquietação, hiperatividade, arritmias cardíacas, hemorragia interna, ataques cardíacos, taquipneia, ataxia, tremores, convulsões, fraqueza, coma, cianose, hipertensão, hipertermia e, eventualmente, morte.
Além disso, o alto teor de gordura dos produtos de chocolate pode desencadear pancreatite em animais suscetíveis.
Em geral, sinais leves (vômitos, diarreia, polidipsia) podem ser observados em cães que ingerem 20 mg/kg,

Efeitos cardiotóxicos podem ser observados em 40-50 mg/kg e

Convulsões podem ocorrer em doses ≥ 60 mg/kg (www. merckvetmanual. com).

 

O que fazer se o animal consumir chocolate?
A primeira coisa a ser feita é levar o pet ao veterinário o mais breve possível, mesmo que aparentemente o animal não apresente os sinais, para realizar descontaminação gastrointestinal e fornecer cuidados de suporte.
A intervenção correta nesses casos é fundamental para a preservação da vida do animal.

doi: 10.2478/v10102-009-0012-4

 

perstorp-pt
Itpsa nutri br 0722
Alltech rp
zinpro robapaginas
Relacionado con Matérias Primas
Últimos posts sobre rumiantes Matérias Primas
ABvista
Yes
perstorp-pt
Banner Evento ESG Simposio Leite Integral

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.