Efeitos da quantidade e tempo de acesso à forragem em vacas leiteiras

21 Nov 2022

Efeitos da quantidade e tempo de acesso à forragem em vacas leiteiras

Efeitos da quantidade de forragem e restrição de tempo de acesso no comportamento alimentar, eficiência alimentar, estado nutricional e desempenho leiteiro de vacas leiteiras alimentadas em confinamento

Os sistemas de laticínios com baixo consumo de insumos baseiam sua eficiência econômica em manter os custos de produção baixos. Alcançar a autossuficiência forrageira é um grande desafio (Lebacq et al., 2015) para ganhar resiliência em um contexto de riscos climáticos cada vez mais frequentes que pressionam os sistemas de alimentação de ruminantes, especialmente em sistemas de baixo consumo e baseados em pastagens.

A otimização da alimentação é fundamental, pois os custos da alimentação, que representam metade dos custos operacionais totais da fazenda leiteira (Comissão Europeia, 2018), aumentam significativamente quando a forragem precisa ser comprada.

Na escala da fazenda, os custos de alimentação podem ser reduzidos a longo prazo por meio de estratégias como menor idade ao primeiro parto, maior expectativa de vida produtiva e melhor genética (Vandehaar, 1998). No caso de escassez de estoque de forragem, alguns fazendeiros respondem a curto prazo vendendo alguns animais ou, mais provavelmente, tentando economizar parte da forragem fornecida diariamente para suas vacas, limitando as recusas e desperdícios e melhorando a eficiência alimentar.

Vetanco Nucleovet 062022

Os fazendeiros que tentam melhorar a eficiência alimentar em vez de tentar maximizar a produtividade por animal estão procurando encontrar um compromisso entre produção média do rebanho, saúde animal, reprodução e qualidade do leite. Os sistemas de alimentação para vacas leiteiras (NRC, 2001, INRA, 2018) podem ajudar os agricultores a limitar a quantidade de forragem distribuída, pois não visam mais a produtividade máxima por animal.

Os sistemas descrevem as respostas da produção animal em torno das recomendações de fornecimento de energia e proteína, aumentando a eficiência da conversão alimentar e abordando outras questões como saúde, meio ambiente, composição do leite e assim por diante. No entanto, os sistemas de alimentação ainda são baseados na maximização do consumo de forragem, o que não resolverá o problema de escassez de forragem.

Além da otimização da alimentação, alguns autores também investigaram os efeitos da restrição de longo período de consumo de matéria seca (CMS) nas respostas dos animais, mas o foco tem sido principalmente na redução do concentrado (Coulon et al., 1996). A restrição de forragem tem sido relativamente pouco pesquisada.

Banner eu sou a voz do agro
Itpsa nutri br 0722
Nucleovet 062022
Alltech rp

Estudos descobriram que 13% e 20% de restrições de CMS diminuíram a energia corrigida no leite (ECL) em 2kg e 3kg, respectivamente (Ben Meir et al., 2019, Hervé et al., 2019). No entanto, limitar o consumo de forragem geralmente melhora a digestibilidade (Zanton e Heinrichs, 2008) e pode aumentar a eficiência da conversão de nutrientes para a produção de leite (Ben Meir et al., 2019).

A eficiência alimentar também pode ser melhorada em nível animal por meio da adaptação alimentar direcionada para vacas menos eficientes. De acordo com Fischer et al. (2020), restringindo a quantidade de ração (com uma dieta à base de silagem de milho e concentrado) dada a vacas menos eficientes (uma redução de 2,7 kg no CMS) e as vacas mais eficientes (uma redução de 0,8 kg no CMS) não tiveram impacto na produção de leite e ECL.

Alguns produtores de leite não apenas limitam a quantidade de forragem e concentrado, mas também restringem o acesso à ração a apenas duas refeições por dia. Eles argumentam que restringir a quantidade de ração e o tempo de acesso garante que todas as vacas sejam alimentadas da mesma maneira, em contraste com os sistemas ad libitum, onde as vacas podem selecionar seus alimentos preferidos, resultando em diferenças na ingestão nutricional e, portanto, na eficiência alimentar.

Os agricultores relatam efeitos benéficos da restrição alimentar na produção de leite, propriedades de produção de queijo e estado nutricional animal (Cremilleux et al., 2020). Cavallini et al. (2018) estudaram uma estratégia de alimentação por tempo limitado e descobriram que ela aumentou a eficiência do leite (ECL kg/CMS kg) sem diminuir o peso corporal.

Manzochi et ai. (2019) compararam dietas à base de pasto sem suplementos de forragem conservada e descobriram que limitar o tempo de pastejo não teve impacto na produção de leite e nas propriedades de coagulação do leite, mas diminuiu o teor de proteína e caseína do leite.

No entanto, até onde sabemos, não houve nenhum esforço para investigar os efeitos da restrição da quantidade de ração em conjunto com a restrição do tempo de acesso no desempenho da vaca leiteira e na capacidade de produção de queijo.

O estudo

O objetivo deste experimento foi avaliar o efeito da restrição da quantidade de forragem versus alimentação ad libitum e em conjunto com a restrição do tempo de acesso à alimentação no desempenho leiteiro, na capacidade de produção de queijo e no estado nutricional dos animais.

Postulamos que o tempo limitado de acesso à ração (2h/refeição) poderia aumentar a eficiência alimentar em comparação com uma única restrição quantitativa (apenas quantidade de forragem) devido a um aumento na digestibilidade, com o resultado de que a produção de leite e o estado nutricional do animal seriam apenas marginalmente afetados pelas restrições de alimentação e tempo de acesso em comparação com a alimentação ad libitum.

Vinte e sete vacas Montbéliarde e Holandesas foram alocadas aleatoriamente em três grupos de nove vacas separadas por raça, paridade, dias em lactação e produção de leite. Os três grupos receberam 3,9kg MS/dia de feno de segundo corte e 4,5kg/dia de concentrado e :

Produção de leite, composição e propriedades de coagulação, estado nutricional da vaca (peso, escore de condição corporal, metabólitos sanguíneos) e atividades da vaca foram registrados.

Resultados

Como esperado, vacas RQ e RQT ingeriram significativamente menos feno de primeiro corte do que vacas AL e seu consumo de matéria seca diminuiu 13% (2,5kg de MS/d) e 17,0% (3,2kg de MS/d), respectivamente. Isso resultou em menor ingestão de Energia Líquida (ELLeite) e a digestibilidade de proteína no intestino delgado para vacas RQ e RTQ em comparação com vacas AL e para vacas RTQ em comparação com vacas RQ. A densidade energética das dietas ingeridas foi de 0,65, 0,69, 0,68 MFU/kgDMI, e as relações forragem:concentrado foram 77:23, 74:26, 73:27 para vacas AL, RQ e RTQ, respectivamente.

As vacas AL tenderam a ter uma maior produção diária de leite do que as vacas RQ (+0,5kg) e as vacas QTR (+1,2kg), enquanto as vacas AL também tiveram ECL, produção de proteína e gordura maiores do que as vacas RQ (+ 1,3kg/d, +31g/d e+81g/d, respectivamente) e vacas RTQ (+1,0kg/d, +53g/d e+80g/d, respectivamente).

As vacas AL tiveram teores significativamente maiores de gordura, proteína, caseína e lactose do leite e uma relação caseína/proteína de soro significativamente maior do que as vacas RQ (+3,7g/kg, +2,4g/kg, +0,8g/kg, +0,0g /kg e +0,012, respectivamente) e vacas RTQ (+3,2g/kg, +1,4g/kg, +1,7g/kg, +2,6g/kg e +0,013, respectivamente).

A restrição de tempo de acesso não afetou o teor de gordura e proteína, mas levou à diminuição do teor de caseína, lactose e proporção de caseína para proteína de soro de leite.

O grupo AL ingeriu 10% mais ração que o grupo RQ e 16% mais ração que o grupo RTQ. A digestibilidade da matéria orgânica foi menor no grupo AL do que nos grupos RQ e RTQ, enquanto a eficiência alimentar não diferiu.

As vacas RQ e RTQ mobilizaram sua gordura corporal, resultando em um menor escore final de condição corporal e tenderam a ter uma menor concentração de ácidos graxos não esterificados no sangue do que o grupo AL. As vacas RTQ apresentaram maior mobilização de gordura corporal, mas seu peso corporal final corrigido não foi diferente das vacas AL.

Discussão e conclusões

O tempo de acesso restrito à ração reduziu o CMS em 16% sem efeito significativo na produção de leite e tendeu a aumentar a eficiência alimentar devido ao melhor aproveitamento da forragem (melhor digestibilidade).

As vacas adaptaram-se a uma restrição da quantidade de ração diminuindo significativamente a síntese de sólidos do leite – ou seja, ECL, gordura, proteína, caseína e lactose – e mobilizando suas reservas corporais (escore de condição corporal, ácidos graxos não esterificados no sangue), mas não perderam peso corrigido e sua capacidade de produção de queijo não foi afetada.

A restrição de tempo não afetou a composição do leite e as propriedades de coagulação, exceto a caseína, proporção de caseína para proteína de soro de leite e lactose, que diminuíram. A restrição de tempo também aumentou a mobilização das reservas de gordura corporal.

A alimentação é o maior custo operacional da pecuária e pode se tornar um fator crítico em caso de escassez de estoque de forragem. Em comparação com a alimentação ad libitum, a redução das quantidades de forragem fornecidas às vacas leiteiras em 2,2 kg/dia durante 9 semanas não tem efeito significativo na produção de leite e peso corporal, mas diminui os teores de gordura e proteína do leite, bem como o leite com correção energética.

A economia de forragem obtida por meio dessa prática de manejo alimentar pode ser economicamente boa quando os preços da forragem aumentam. Esta prática pode ser interessante em sistemas de pastagem para superar certos riscos climáticos sem ter que recorrer a compras ou aumentar a autonomia forrageira da propriedade.

Pesquisas futuras devem, portanto, se concentrar em experimentos de longo prazo para entender melhor o impacto das práticas alimentares restritas no estado nutricional, saúde e reprodução. Além disso, espera-se que essas práticas sejam mais viáveis ​​com animais que geralmente são superalimentados, como costuma acontecer em fazendas leiteiras.

Por: Cremilleux M., et al. (2022)

perstorp-pt
Banner eu sou a voz do agro
ABvista
Nucleovet 062022
Relacionado con Nutrição Animal
Últimos posts sobre rumiantes - Nutrição Animal
Contenido sobre otras especies - Nutrição Animal
Nucleovet 062022
Vetanco
Banner eu sou a voz do agro
ABvista

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.