09 Mar 2022

Hong Kong detecta COVID-19 em carne bovina congelada brasileira

Hong Kong continua a fazer testes aleatórios nas importações de alimentos refrigerados e congelados e suas embalagens para o vírus COVID-19. As últimas detecções foram relacionadas às embalagens de carnes congeladas do Brasil e da Polônia em fevereiro de 2022.
Em 2021, o Brasil foi o maior fornecedor de produtos de carne bovina e suína para Hong Kong, e a Polônia foi classificada como o quinto fornecedor de produtos suínos.
Após relatos sobre a descoberta da China de contaminação pelo vírus COVID-19 em alimentos congelados importados ou suas embalagens, em meados de 2020, Hong Kong começou a testar vários tipos de importações de alimentos da cadeia de frio e suas embalagens no ponto de entrada, de diferentes países/regiões.
As amostras são colhidas no aeroporto e nos armazéns frigoríficos/unidades de armazenamento dos importadores. No final de fevereiro de 2022, o Centro de Segurança Alimentar (CFS) recebeu relatórios de testes de que amostras de embalagens de alimentos congelados importados foram positivas para o vírus COVID-19 durante testes de precaução.
Anteriormente, o CFS coletou 36 amostras para teste de um lote de cerca de 1.100 caixas de carne bovina congelada (total de cerca de 29 toneladas) importadas do Brasil via marítima. Os resultados dos testes mostraram que uma amostra de embalagem externa e duas amostras de embalagem interna foram positivas para o vírus.
Em 2021, as importações globais de produtos de carne bovina de Hong Kong totalizaram US$ 2,7 bilhões, uma queda de 39%. em relação a 2020. O Brasil foi o maior fornecedor, fornecendo 39% das importações, enquanto os Estados Unidos forneceram 20%, classificando-se como o segundo maior fornecedor.
O CFS ordenou que os respectivos importadores descartem todo o lote de produtos afetados. Os operadores dos armazéns em questão foram solicitados a realizar uma limpeza e desinfecção completas.
Em 2021, as importações de produtos suínos de Hong Kong foram avaliadas em US$ 1,4 bilhão, caindo 13% em relação a 2020. O Brasil foi o maior fornecedor com 26%, enquanto a Polônia forneceu 5%. Os Estados Unidos forneceram 3% das importações totais de produtos suínos de Hong Kong.
Desde que a CFS começou a testar alimentos congelados importados e suas embalagens contra o vírus COVID-19 em meados de 2020, as autoridades de Hong Kong coletaram mais de 29.000 amostras de alimentos e suas embalagens para testes.
Por uma questão de prática, durante os testes, os produtos testados são mantidos no armazém. Somente se os testes forem concluídos e os resultados forem negativos, os produtos são lançados no mercado para venda. O CFS está ciente de que os importadores devem pagar os custos de armazenamento se as remessas permanecerem no aeroporto por mais de 24 horas.
Normalmente, os resultados dos testes estão disponíveis dentro desse prazo. No entanto, exceções ocorrem apenas quando os resultados dos testes preliminares são inconclusivos.

Fonte: Foreign Agricultural Service – USDA

Yes
perstorp-pt
Nucleovet 062022
Vetanco
Relacionado con Mercado
Últimos posts sobre rumiantes Mercado
Sectoriales sobre rumiantes Mercado
ABvista
Vetanco
zinpro robapaginas
Banner Evento ESG Simposio Leite Integral

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.