28 Sep 2021

Uso de aditivos fitogênicos na nutrição animal

O termo aditivo fitogênico para rações (muitas vezes também chamados de fitobióticos) é comumente definido como aditivos para rações derivados […]

O termo aditivo fitogênico para rações (muitas vezes também chamados de fitobióticos) é comumente definido como aditivos para rações derivados de plantas incluídos em dietas para melhorar a produtividade dos animais, as propriedades de ração e a qualidade alimentar, bem como promoção do desempenho zootécnico.
A composição de aditivos fitogênicos para rações compreende uma ampla gama de substâncias com respeito à origem botânica, processamento e descrição química, incluindo pureza. Esta classe de aditivos para rações ganhou recentemente um interesse crescente, especialmente em leitões e frangos de corte, desde a proibição dos aditivos antibióticos para rações na União Europeia em 2006.
As substâncias fitogênicas são uma classe jovem de aditivos para rações e o conhecimento sobre modos de ação e aspectos de aplicação ainda é bastante fragmentado. Os produtos nutricionais usados como aditivos/suplementos na alimentação de animais de produção destinam-se a melhorar o desempenho ou, em certos casos, a suprir a deficiência nutricional e/ou distúrbios metabólicos.
Até o momento, são utilizados principalmente aditivos/suplementos sintéticos para esse fim. No entanto, foi estabelecido que aditivos fitogênicos para rações podem ser usados com eficácia semelhante, uma vez que são capazes de influenciar processos fisiológicos importantes no organismo animal.
Em uma revisão abrangente sobre AFs, Windisch et al. (2008) chegaram à conclusão de que a experiência atual na alimentação de suínos e aves parece justificar a suposição de que os AFs podem ter o potencial de promover o desempenho da produção e a produtividade e, assim, adicionar ao conjunto de promotores de crescimento não antibióticos, como ácidos orgânicos, probióticos e enzimas. Com base no feedback da prática de produção, as principais vantagens da aplicação de AFs podem ser:
Risco reduzido de desequilíbrios entéricos (como diarreia), especialmente de animais jovens
Melhor desempenho de crescimento, incluindo ganho de peso e conversão alimentar
Estimulo a ingestão de ração
Aumento na produção de ovos
Redução da mortalidade
Melhor aceitação de ingredientes de ração com sabor desagradável (como concentrados de proteína ou pré-misturas minerais)
Reduzida necessidade de aplicação de quimioterápicos
Melhor qualidade do produto (em termos de sabor, cor ou textura)
Melhoria do ambiente da granja, incluindo a redução de odores desagradáveis ​​e gases tóxicos
Sem período de retirada na maioria dos casos
Presumivelmente sem resíduos prejudiciais em produtos de origem animal


Melhorar a eficiência e a lucratividade da produção animal por meio da alimentação animal (nutrição) continua sendo uma prioridade econômica. Para atingir esses objetivos, em virtude de seus princípios biologicamente ativos, diversos óleos essenciais podem ser uma alternativa natural e saudável. Essas plantas oferecem não apenas uma alternativa para os aditivos para rações produzidos sinteticamente, mas devido ao seu efeito sinérgico de componentes químicos ainda não totalmente descoberto, elas podem vislumbrar uma perspectiva positiva ainda mais favorável ao meio ambiente em melhorando a eficiência da produção e a qualidade da carne, incluindo vida útil mais longa.
Os aditivos fitogênicos para rações podem ser classificados em vários grupos:

  • aditivos sensoriais (aditivos para rações que afetam as propriedades sensoriais de produtos de origem animal)
  • aditivos tecnológicos (antioxidantes, substâncias que diminuem a contaminação de rações por micotoxinas, etc.)
  • aditivos zootécnicos (imunomoduladores, estimulantes digestivos, promotores de crescimento de não – origem microbiana, substâncias que aumentam o desempenho ou a qualidade dos produtos de origem animal, etc.)
  • aditivos nutricionais (vitaminas, minerais, enzimas vegetais, etc.). Aditivos fitogênicos são usados ​​principalmente nos primeiros

Vale destacar que vários aditivos fitogênicos possui mais de um efeito positivo e não podem ser estritamente classificados nos grupos designados. A seguir, falaremos de alguns dos grupos mencionados acima.

Aditivos sensoriais

Os aditivos sensoriais tradicionais incluem substâncias que afetam o odor e a palatabilidade dos alimentos e também sua coloração.

Aditivos fitogênicos são comumente usados como corantes em galinhas poedeiras para pigmentar a cor da gema do ovo. Galinhas poedeiras não podem sintetizar pigmentos de gema de ovo; no entanto, a cor da gema do ovo é um dos principais indicadores da qualidade do ovo que afeta a preferência do consumidor (Englmaierova et al. 2014).
Os pigmentos da gema do ovo, xantofilas, são dependentes dos pigmentos solúveis em gordura que estão presentes na ração (Yildirim et al. 2013). A fonte desses pigmentos pode ser via corantes naturais ou sintéticos que são mais econômicos, mas também potencialmente perigosos para a saúde humana (a dose máxima de cantaxantina não deve exceder 8 mg/kg; em doses mais altas, a formação de cristais por minuto pode ocorrer na retina por um processo de deposição reversível (Breithaupt 2007)).
Corantes naturais são preferidos; os mais frequentemente usados ​​incluem os carotenóides, cuja fonte são cenoura, algas Chlorella, calêndula (Tagetes erecta L.) ou luteína, no entanto, os carotenóides naturais são instáveis ​​e seu uso também é limitado pelo preço (Englmaierova et al. 2014).
O efeito de 1 e 2% (ou seja, 10 e 20 g) de suplementação de ração com biomassa de Chlorella na gema de ovo foi estudado por Kotrbacek et al. (2013). Neste estudo, foi encontrado um aumento significativo na deposição de carotenóides totais na gema do ovo (em 46% e 119%). Porém, os autores também encontraram uma redução significativa no peso da gema do ovo no grupo com 2% de suplementação de Chlorella, o que provavelmente estava relacionado ao menor consumo de ração nessas galinhas.
No entanto, em galinhas ISA Brown alimentadas com dietas suplementadas com as algas Chlorella (12,5 mg / kg) e luteína (250 mg / kg) Englmaierova et al. (2013) encontraram um aumento significativo no peso do ovo, peso da casca e espessura da casca, diminuição da relação gema/albumina do ovo. Além disso, a suplementação de Chlorella também aumentou significativamente a cor da gema.
Carotenóides bem conhecidos incluem também a astaxantina, são comumente adicionada à ração de peixes para fornecer uma cor de carne mais atraente. Além disso, essa substância também tem efeitos antioxidantes (10 vezes mais eficaz do que a vitamina E) (Zhang et al. 2014).

Yes ABvista
Aditivos tecnológicos



PARA SEGUIR LENDO REGISTRE-SE É TOTALMENTE GRATUITO


Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital




CADASTRO




ENTRE EM
SUA CONTA








ENTRAR


Perdeu a senha?




Nucleovet 062022
perstorp-pt
Alltech rp
ABvista
Relacionado com Pesquisa
Nucleovet 062022
zinpro robapaginas
Vetanco
Itpsa nutri br 0722

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.