Fitobióticos na nutrição de aves e suínos

20 Mar 2023

Fitobióticos na nutrição de aves e suínos

A evolução na produção de antibióticos e sua eficácia no desempenho de animais resultou no uso intensivo dessas substâncias sintéticas. Os antibióticos promotores de crescimento (APCs) têm sido amplamente utilizados na produção animal por quase 50 anos.

No entanto, a conscientização pública sobre os riscos potenciais à saúde e os problemas ambientais causados ​​pelo uso excessivo de produtos farmacêuticos sintéticos, incluindo antibióticos na ração como promotores de crescimento, e também a demanda pública por alimentos orgânicos mudaram gradualmente a atitude em relação a esses antibióticos sintéticos (Greathead, 2003; Rochfort et al. 2008 ).

As pesquisas levaram ao aumento da preocupação com a incidência de resistência microbiana entre patógenos humanos devido ao uso contínuo de antibióticos como melhoradores de desempenho em animais, resultando na proibição do uso de APC na alimentação animal em países desenvolvidos no início dos anos 2000. A eliminação de APCs aumentou significativamente a incidência de infecções por patógenos, consequentemente tendo efeito prejudicial sobre o desempenho de animais de produção. Portanto, a tendência de encontrar alternativas disponíveis aumentou.

Os aditivos fitogênicos para rações (AFRs) também são conhecidos como fitobióticos, usados ​​em tratamentos tradicionais. Eles poderiam ser usados ​​como alternativas aos antibióticos. O uso de AFR na nutrição de aves e suínos recentemente ganhou interesse crescente. Comparados aos não-APCs, como ácidos orgânicos e probióticos, os fitobióticos são aditivos alimentares relativamente novos. Nosso conhecimento sobre seus modos de ação e aspectos de aplicação ainda é bastante limitado.

banner basf
Subscribe Now!

fitobioticos-plantasO conteúdo de substâncias ativas e a composição química dos fitobióticos nos produtos finais podem variar muito dependendo das partes da planta utilizadas (sementes, folhas, etc.), origens geográficas e época de colheita (Burt, 2004 ; Bakkali et al. 2008; Windisch et al. 2008).

fitobioticos-saude-intestinal

Essa breve revisão foca no uso de fitobióticos como aditivos alimentares na dieta de aves e suínos em termos de seu papel antioxidante, ação antimicrobiana, impacto benéfico na eficácia do crescimento e seu efeito nas funções intestinais.

Subscribe Now!
Nuproxa 07-2023
BANNER de LALLEMAND
nuproxa esp

Efeito promotor de crescimento

Muitos AFRs foram investigados durante as últimas duas décadas. Tem sido relatado principalmente que a adição de produtos fitoterápicos às dietas tem efeito promotor de crescimento em aves e suínos.

suinos-fitobioticosLi et al. (2012) comparou o desempenho de suínos alimentados com dietas suplementadas com óleos essenciais e relatou que o ganho de peso e a digestibilidade da matéria seca e da proteína bruta foram melhorados em 10,3, 2,9 e 5,9%, respectivamente. Eles sugeriram que o melhor desempenho dos suínos era resultado da melhora da morfologia intestinal e, consequentemente, da melhora da digestibilidade dos nutrientes.

Figura 1. Efeito dos aditivos fitogênicos no desempenho de crescimento das aves.

Influência na palatabilidade e função intestinal 

Os fitobióticos são, em sua maioria, considerados beneficamente eficazes no sabor e na palatabilidade dos alimentos, melhorando assim o desempenho da produção (Windisch et al. 2008).

Existem evidências mostrando que as especiarias são eficazes no metabolismo dos lipídios. Leung (2008) relataram que a adição de capsaicina à dieta de roedores reduziu o peso da gordura visceral e isso pode ser atribuído a um aumento na expressão do receptor de potencial transiente do tipo vanilóide (TRPV1). 

Platel e Srinivasan (2004) sugeriram que os fitobióticos podem estimular as secreções digestivas, como saliva e bile. Eles relataram que melhorar a atividade enzimática é o principal modo de ação nutricional dos AFRs.  

Diversos pesquisadores relataram que suplementar a dieta de frangos de corte com óleos essenciais pode aumentar as atividades de tripsina, maltase e amilase pancreática (Lee et al. 2003; Jang et al. 2004; Jang et al. 2007). 

Manzanilla et al. (2004) relataram que a dieta de suínos suplementada com uma mistura de óleos essenciais e capsaicina pode diminuir a taxa de esvaziamento gástrico. 

Ação antimicrobiana 

A maioria dos estudos mostra que substâncias fenólicas como timol, carvacrol, fenilpropano, limoneno, geraniol e citronelal são os compostos mais ativos que possuem função antimicrobiana. Em uma revisão publicada recentemente, Yang et al. (2015) sugeriu que a ação antimicrobiana dos AFRs varia de acordo com a localização de seus grupos funcionais hidroxila ou alquila. 

Burt (2004) relataram que a família de plantas Labiatae  recebeu o maior interesse, incluindo tomilho, orégano e sálvia como os representantes mais populares. Eles sugeriram que a capacidade dos óleos essenciais hidrofóbicos de invadir a membrana celular dos patógenos, consequentemente desintegrando suas estruturas de membrana e causando vazamento de íons, é uma possível explicação para a atividade antimicrobiana do AFR.

 A diminuição da contagem de patógenos (por exemplo, Escherichia coli) nos intestinos dos animais hospedeiros pode levar ao aumento da contagem de bactérias benéficas (por exemplo, Lactobacillus) nas entranhas. Há algumas evidências mostrando que a adição de 0,075% de mistura de óleos essenciais (75 g/kg de ração; contendo timol e vanilina) à dieta de frangos de corte resultou no aumento da população de Lactobacillus (Mohammadi Gheisar et al .2015).  

Outra implicação da ação antimicrobiana dos AFRs é que eles podem melhorar a higiene microbiana das carcaças. De fato, há evidências mostrando o efeito benéfico da adição de 0,1% de óleos essenciais de orégano (Origanum onites, 15 g/kg de produto comercial) à dieta na carga microbiana de bactérias viáveis ​​totais ou patógenos específicos (por exemplo  Salmonella) em carcaças de frangos (Aksit et al. 2006).  

Ação antioxidante e anti-inflamatória 

A atividade antioxidante dos fitobióticos é outra propriedade biológica de grande interesse. Sua capacidade de eliminar radicais livres pode desempenhar um papel importante na prevenção de algumas doenças causadas por radicais livres, como câncer e doenças cardíacas (Kamatou e Viljoen, 2010).  

Cherian et al. (2013) relataram que a alimentação de frangos de corte com AFRs (Artemisia annua) resultou em uma redução significativa no valor de TBARS na carne de peito e coxa. Eles sugeriram que a redução no valor de TBARS poderia ser devido a propriedades antioxidantes individuais ou combinadas de compostos polifenólicos ou vitamina E em  Artemisia annua. 

fitobioticos-antioxidantes

Por outro lado, existem algumas evidências sugerindo que a atividade antioxidante dos fitobióticos não é causada apenas por suas substâncias fenólicas, mas também por seus compostos não fenólicos. Placha et al. (2014) demonstraram que a suplementação da dieta de frangos de corte com timol pode reduzir a oxidação de ácidos graxos indicada pelo menor nível de malondialdeído na mucosa duodenal. 

Franz et al. (2010) sugeriram que os fitobióticos podem afetar beneficamente algumas enzimas antioxidantes, como a glutationa peroxidase e a superóxido dismutase, afetando consequentemente o metabolismo lipídico em animais. 

Há também evidências mostrando que pimenta preta (Piper nigrum ), pimenta vermelha (Capsicum annuum L.) e malagueta (Capsicum frutescene; Nakatani, 2000) também possuem atividades antioxidantes. O sabor pungente e o odor das substâncias ativas da maioria dessas plantas podem restringir seu uso na alimentação animal, principalmente para suínos. 

Os compostos ativos dos fitobióticos podem ter funções protetoras para os lipídios dos alimentos contra danos oxidativos, semelhantes aos antioxidantes, como acetato de α-tocoferol ou hidroxitolueno butilado que geralmente é adicionado às dietas. 

Conclusões 

Diferentes aspectos dos AFRs têm sido estudados nas últimas duas décadas. Efeito promotor de crescimento, atividade antimicrobiana, atividade antioxidante e atividade anti-inflamatória são algumas das funções que têm sido investigadas. De acordo com a literatura, os fitobióticos apresentam efeitos positivos na melhoria do desempenho de aves e suínos.

Alguns pesquisadores sugeriram que os efeitos de melhoria da suplementação dietética com AFR estão parcialmente associados ao aumento do consumo de ração, provavelmente devido à melhor palatabilidade da dieta. 

Devido à grande variedade de produtos fitogênicos disponíveis, a dosagem efetiva recomendada varia. Além disso, alguns estudos demonstraram que os fitobióticos podem aumentar a atividade das enzimas digestivas e a capacidade de absorção. Eles também podem ser capazes de estimular a produção de muco intestinal, o que pode contribuir ainda mais para o alívio da pressão do patógeno por meio da inibição da aderência à mucosa.

Como a maioria dos resultados experimentais está disponível apenas para produtos comerciais contendo misturas de substâncias fitogênicas, ainda há a necessidade de uma abordagem sistemática para explicar a eficácia e o modo de ação de cada tipo de AFR e a dose de substâncias ativas.

No entanto, os estudos disponíveis até o momento na alimentação de tais compostos para suínos e aves parecem justificar a suposição de que o AFR pode ter o potencial de promover o desempenho da produção e a produtividade como não-APCs. 

Mohsen Mohammadi Gheisar e Em Ho Kim

BANNER de LALLEMAND
agriCalendar
biozyme robapagina
Nuproxa 07-2023
Relacionado con Fitogênicos
Últimos posts sobre Fitogênicos
BANNER de LALLEMAND
Subscribe Now!
nuproxa esp
biozyme robapagina

REVISTA NUTRINEWS BRASIL
ISSN 2965-3371

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.