L-arginina suplementar modula o metabolismo lipídico em frangos de corte

14 Nov 2022

L-arginina suplementar modula o metabolismo lipídico em frangos de corte

L-arginina suplementar melhora a conversão alimentar e modula o metabolismo lipídico em frangos de corte machos e fêmeas de 29 a 42 dias de idade

Os frangos de corte de linhas comerciais modernas apresentam rápido crescimento muscular. No entanto, eles também têm uma predisposição genética para desviar mais nutrientes da dieta para a biossíntese de triacilglicerol e, posteriormente, acumular mais gordura na região abdominal (Cui et al., 2012).

De acordo com Choct e cols. (2000), em linhas modernas de frangos de corte, aproximadamente 85% de toda a gordura corporal não é fisiologicamente necessária para o funcionamento do organismo.

Como a deposição excessiva de gordura abdominal pode reduzir o rendimento e a qualidade da carcaça (Fouad e El-Senousey, 2014), estratégias nutricionais que modulam o metabolismo lipídico em frangos de corte precisam ser estabelecidas. Nesse contexto, os efeitos da suplementação dietética de L-arginina na regulação da lipogênese têm sido investigados.

Nucleovet 062022 Yes

Em um experimento com frangos de corte alimentados com dietas suplementadas com L-arginina no período de 21 a 42 dias de idade, Fouad et al. (2013) relataram expressão gênica reduzida das enzimas hepáticas ácido graxo sintase (FASN) e 3-hidroxi-3-metilglutaril CoA (HMG-CoA redutase), que participam da biossíntese de triacilglicerol e colesterol, respectivamente.

Da mesma forma, Ebrahimi et al. (2014) também observaram redução na expressão do gene que codifica FASN quando a dieta de frangos de corte foi suplementada com L-arginina no período de 25 a 46 dias de idade.

No entanto, de acordo com Guo et al. (2011), até a quarta semana de idade dos frangos de corte, o acúmulo de gordura se deve principalmente ao aumento do número de adipócitos (eventos de hiperplasia). A partir daí, predominam os eventos de hipertrofia dos adipócitos.

agriNews FM pt
zinpro robapaginas
Nucleovet 062022
Banner eu sou a voz do agro

Considerando que períodos mais curtos de utilização de aminoácidos industriais resultam em menores custos de alimentação, questionou-se se a L-arginina dietética poderia manter sua ação na redução do acúmulo de gordura abdominal quando suplementada na dieta somente após os 29 dias de idade.

Concomitante a isso, a suplementação de L-arginina na dieta também pode atuar no metabolismo de proteínas, aumentando a retenção de nitrogênio e a síntese de proteínas em frangos de corte. Uma justificativa para explicar esses efeitos é que durante o metabolismo da L-arginina ocorre a biossíntese de poliaminas como putrescina, espermidina e espermina e de outros intermediários metabólicos que apresentam efeitos promotores de crescimento (Khajali e Widerman, 2010).

Portanto, no presente estudo, houve interesse em também avaliar se a suplementação de níveis crescentes de L-arginina na dieta de frangos de corte tem efeito no balanço e retenção de nitrogênio.

Para tanto, foram conduzidos dois experimentos com frangos de corte de ambos os sexos, de 29 a 42 dias de idade, para avaliar os efeitos da suplementação dietética de L-arginina sobre:

Materiais e Métodos

Experimento e dietas

Os dois experimentos ocorreram no Setor de Avicultura da Universidade Federal de Lavras (UFLA). Ambos foram conduzidos em esquema fatorial 5 × 2, com cinco concentrações de L-arginina em rações (0, 3, 6, 9 e 12g/kg) fornecidas para frangos de corte machos e fêmeas, dos 29 aos 42 dias de idade, criados em caixas ou gaiolas, com seis repetições de 23 frangos de corte por caixa e seis repetições de três frangos de corte por gaiola, totalizando 1560 frangos de corte.

Dados de desempenho, rendimento de carcaça e cortes, deposição de gordura abdominal, composição química do peito, perfil lipídico e atividade de enzimas hepáticas foram avaliados no experimento 1. No experimento 2, o balanço e retenção de nitrogênio, coeficientes de metabolizabilidade e energia metabolizável da ração foram determinados e os tratamentos foram avaliados em seis repetições de três frangos de corte por gaiola, totalizando 180 frangos de corte.

Os níveis crescentes de L-arginina nas dietas experimentais foram obtidos pela substituição do caulim (inerte), fixado em 20g/kg na dieta basal sem suplementação de L-arginina. A dieta basal foi formulada para atender às exigências nutricionais dos frangos de corte (Rostagno et al., 2011), com nível de proteína bruta (PB) de 187,5g/kg.

As proporções de aminoácidos foram semelhantes entre as dietas suplementadas com L-arginina e a dieta basal, exceto para a relação lisina:arginina. As concentrações dos principais aminoácidos essenciais nas dietas experimentais foram determinadas por HPLC, de acordo com o método 982.30 da Association of Official Analytical Chemists (AOAC) (2005). As dietas experimentais e água foram fornecidas ad libitum dos 29 aos 42 dias de idade.

Animais e manejo

Pintainhos Cobb, machos e fêmeas, foram adquiridos com 1 dia de idade em um incubatório comercial e criados até os 28 dias de idade em um galpão convencional. Nesse período, os frangos de corte receberam uma dieta padrão à base de milho e farelo de soja, sem suplemento de L-arginina, formulada para atender às suas exigências nutricionais (Rostagno et al., 2011; Tabela 1).

Aos 29 dias de idade, os frangos de corte foram pesados ​​individualmente, separados por faixa de peso e sexo e posteriormente distribuídos nas caixas e gaiolas de acordo com os delineamentos descritos para os experimentos 1 e 2.

Resultados

Experimento 1

O aumento na concentração de L-arginina na dieta não afetou (P >0,05) o consumo de ração e o ganho de peso; entretanto, melhorou (P<0,05) a conversão alimentar, estimando um platô a partir de um nível de inclusão de 6,87g/kg de L-arginina na dieta (efeito LRP, P=0,014). O sexo dos frangos de corte não afetou o consumo de ração. No entanto, os frangos de corte machos ganharam 3,17% mais peso e tiveram melhor conversão alimentar.

Os níveis séricos de triacilglicerol e VLDL-colesterol foram alterados pela concentração de L-arginina na dieta, e os níveis séricos mais baixos foram estimados nas concentrações de 6,69 e 6,63L-arginina/kg de ração.

Os níveis séricos de colesterol total e LDL-colesterol diminuíram linearmente em até 13,11 e 45,71%, respectivamente, com o aumento da concentração de L-arginina na dieta. Os níveis séricos de triacilgliceróis e colesterol (colesterol total e frações) não foram afetados pelo sexo das aves.

Não houve efeito da concentração de L-arginina na dieta sobre os rendimentos de carcaça, peito e coxa ou sobre os níveis de umidade, PB, extrato etéreo e colágeno medidos no peito dos frangos de corte. No entanto, o aumento na concentração de L-arginina na dieta reduziu a deposição de gordura abdominal (efeito linear, P=0,049) em até 16%.

Além disso, frangos alimentados com dietas contendo L-arginina nas concentrações de 6 e 12g/kg apresentaram o menor teor de matéria mineral no peito. Em relação ao sexo, os machos apresentaram maiores rendimentos de peito e coxa, menor deposição de gordura abdominal e maiores teores de PB e matéria mineral no peito.

Experimento 2

O aumento na concentração de L-arginina na dieta aumentou linearmente (P<0,05) o consumo e o balanço de nitrogênio (N)  sem alterar (P>0,05) a quantidade de N excretado e o coeficiente de retenção de N para os frangos de corte. Em relação ao sexo, os machos apresentaram maior ingestão, equilíbrio e retenção de N do que as fêmeas.

Conclusões

Correlacionando os resultados de conversão alimentar, teor de proteína do peito, retenção de nitrogênio na dieta, deposição de gordura abdominal e atividade da enzima málica no fígado, é possível concluir que frangos de corte machos desviaram menos nutrientes da dieta para deposição de gordura abdominal e alocaram mais nutrientes para a síntese de proteína muscular, resultando em maior rendimento de peito e coxa.

Portanto, conclui-se que os frangos de corte machos têm resultados de produção intrinsecamente melhores do que as fêmeas.

Entretanto, a suplementação da dieta de frangos de corte machos ou fêmeas de 29 a 42 dias de idade com L-arginina na concentração de 6,87g/kg representa uma estratégia nutricional para melhorar a conversão alimentar e reduzir os níveis circulantes de triacilglicerol e colesterol, síntese de NADPH + H+ por enzimas hepáticas e deposição de gordura abdominal, sem afetar negativamente o rendimento de carcaça e cortes nobres, a quantidade de nitrogênio excretado pelas aves e o valor energético da ração.

Texto original: Supplemental L-arginine improves feed conversion and modulates lipid metabolism in male and female broilers from 29 to 42 days of age

Filho, S. T. S., et al., 2021

Banner eu sou a voz do agro
Itpsa nutri br 0722
Yes
agriNews FM pt
Relacionado con Nutrientes
Últimos posts sobre rumiantes - Nutrientes
Contenido sobre otras especies - Nutrientes
perstorp-pt
ABvista
BANNER Tabelas Brasil
Itpsa nutri br 0722

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.