O uso de aditivos na Piscicultura – uma visão prática

25 Aug 2022

O uso de aditivos na Piscicultura – uma visão prática

piscicultura-brA intensificação da produção de peixes no Brasil é uma atividade em expansão e mostra a necessidade de buscar a eficiência em seus processos e procedimentos no que diz respeito a ambiência, espécie, alimentação e sanidade, a fim de tornar uma atividade sustentável e economicamente viável.  

A adoção de tecnologia é fundamental para que esses objetivos sejam alcançados, tendo sempre como referência que a base da produção são:

  • Manejo
  • Genética e
  • Nutrição da espécie cultivada. 

Quando pensamos em nutrição para peixes, diversos estudos são feitos para conhecer e entender como aplicar a melhor metodologia na produção, para ter o seu máximo ganho em resultado zootécnico e econômico. Para isso é necessário encontrar e definir exigências nutricionais de cada espécie de peixes.  

racao-piscicultura

Dentro desse estudo, no popular, a primeira pergunta referente a parâmetro atribuída para a ração para peixes é o valor da proteína, e dentro desse contexto temos que entender e direcionar toda a atenção para os níveis de aminoácidos essenciais que irão compor a dieta com o objetivo de obter o melhor resultado em crescimento da espécie.  

Hoje muito se fala em proteína bruta e ou aminoácidos totais, no entanto, a melhor maneira de qualificar e quantificar uma ração é através da proteína digestível, ou melhor, em aminoácidos digestíveis da formulação.  

proteina-pisciculturaCom relação às proteínas, podem-se destacar os aminoácidos. O conhecimento de sua digestibilidade nos ingredientes utilizados é fundamental para considerar um produto de máxima eficiência que trará benefícios tanto ambientais, emitindo menos resíduo de substancias via excreta, como promovendo uma melhor performance no animal, sendo ainda fundamental que a avaliação do custo versus benefício seja tecnicamente viável.  

BANNER Tabelas Brasil
zinpro robapaginas
perstorp-pt
Vetanco

Para a composição da proteína, as fontes disponíveis para uso na dieta de rações para peixes são:

Atrelado a esta condição, é essencial conhecer as matérias-primas e seus fornecedores para que o produto siga conforme estabelecido na matriz nutricional do programa de formulação. Dentro de um mesmo tipo de ingrediente podemos ter diversos preços e qualidades diferentes, como por exemplo a farinha de carne e ossos.  

gordura-pisciculturaO segundo parâmetro que devemos observar é o nível de extrato etéreo ou gordura, que é uma excelente fonte de energia para peixes e que juntamente com os carboidratos da dieta, compõe a parte energética.  

Os carboidratos conferem a contribuição com o desempenho dos animais em suas atividades produtivas e como alguns desses ingredientes trazem o amido em sua composição, também auxiliam no processo de produção da ração (extrusão). 

Com esta atribuição, podemos destacar uma ampla gama de insumos, como: milho, sorgo, milheto, farelo de trigo, quirera de arroz, farelo de arroz que ajudam a compor a parte de energética da ração.  

Existe uma relação ideal de energia: proteína na fórmula e para que não ocorra um desbalanceamento no consumo e absorção dos nutrientes e prejudique a performance ou acúmulo de gordura no animal, é necessário atenção no momento da produção da ração para que a quantidade de gordura e carboidratos não causem desbalanço na relação energia: proteína ideal.  

piscicultura-carneAlguns ingredientes proteicos trazem uma boa quantidade de gordura que ajudam na composição junto com a adição de óleo de soja, de peixe, de frango e etc. Mantendo esse equilíbrio, o peixe apresentará uma boa formação muscular e/ou bom rendimento de filé, com baixo acúmulo de gordura corporal. 

A adição de quantidades adequadas de vitaminas e minerais -premix vitamínico-mineral- nas dietas complementa as exigências nutricionais de cada espécie e podem contribuir na melhor condição de desenvolvimento do peixe, através da otimização da absorção dos nutrientes e contribuindo nos processos fisiológicos do animal.  

fibra-pisciculturaOutros parâmetros também devem ser citados como fibra bruta, que se caracteriza pela quantidade de fibra que compõe a fórmula. Como a maioria das espécies de peixes produzidas não são herbívoras, é fundamental ficar atento a inclusão nas rações para que uma alta quantidade de fibra talvez não interfira na digestibilidade.

É importante sempre entender a capacidade da espécie que vai ser cultivada para poder deixar o nível ótimo para que trabalhe a condição ideal da movimentação e saúde intestinal.   

A matéria mineral (cinzas) é o que sobra dentro do processo e acaba não sendo aproveitado pelo organismo, e por isso quanto menor o valor deste item no laudo de laboratório melhor seria a qualidade do produto. 

Já a umidade é outro item sempre observado nos rótulos e para uma boa estabilidade de produto no armazenamento é necessário que não exceda a 10-12% de umidade, para evitar perdas de ração por mofo e bolores à campo. 

Ainda existe a necessidade de entendermos melhor as matérias-primas e mais detalhadamente os produtos dos fornecedores para ter parametrizado os principais índices de escolha na estratégia alimentar. 

Quando temos os dados precisos, fica mais claro o direcionamento de qual caminho ou estratégias seguir. Exemplo disso é que o aditivo irá alcançar seu potencial máximo econômico quando soubermos usar para potencializar os ganhos nutricionais. 

Os aditivos devem ser usados com conhecimento e muito pautado na estratégia alimentar e/ou ambiental para otimizar a produção, além de seguir a regulamentação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob a instrução normativa 13/04 (alterada pela Instrução normativa n 44/15). Também, é importante exigir dos fornecedores de aditivos informações claras sobre o produto e as análises necessárias para garantir sua efetividade. 

piscicultura-aditivos

Dentro desse contexto, temos como principal desafio entender qual o problema que o animal será exposto, levando em conta a fase de cultivo, o sistema de produção e a época do ano. Ter esse conhecimento nos auxiliará a incluir o aditivo correto e na inclusão indicada para minimizar o desafio ou problema ocasionado por fatores sanitários ou mesmo de manejo.  

Existem vários tipos de aditivos, conforme ilustrado na Tabela 1, sendo cada um com sua especificidade e por isso é importante entender e ter clareza da melhor estratégia para efetuar a aplicação no campo.  

 

Tabela 1. Aditivos utilizados em dietas animais.

aditivos

Fonte: Adaptado de CAVALHEIRO et al. (2014).

Quando pensamos nas diferentes estratégias de uso, podemos pensar em diferentes formas de aplicação como: 

 

Tabela 2. Diferenças básicas entre microrganismos probióticos, biorremediadores e biocontroladores.

diferencas-aditivos

Fonte: Adaptado de MOURIÑO et al., 2012.

 Outra linha de aditivo que pode ser usado para ajudar em desafios sanitários são os óleos essenciais, nutracêuticos e ou extratos vegetais, como descritos na Tabela 3: 

 

Tabela 3. Extratos vegetais e propriedades

aditivos-tipos

Fonte: Adaptado de SANTOS et al. (2009b).

Pensando na linha de produtos que ajudam na saúde intestinal temos o importante papel das leveduras, que podem ser oriundas dos substratos de cana-de-açúcar, cerveja e de panificação.

Esta classe de produtos entra na parte da nutrição como componente para incrementar o perfil de aminoácidos e, dependendo do tipo de processo efetuado, podem auxiliar na parte da saúde intestinal, atuando como prebióticos.  

Quando partimos para um objetivo mais específico, podemos trabalhar com os produtos concentrados onde os principais componentes são: beta-glucanos, mananoligossacarídeos e nucleotídeos.  

 Tabela 4. Leveduras e seus derivados.

aditivos-leveduras

Fonte: Aleris 2020.

Em resumo, quando avaliamos com atenção para a produção e temos a consciência dos desafios enfrentados no dia a dia e buscamos avançar no conhecimento, tecnologias e ferramentas disponíveis podem minimizar os impactos nocivos que acontecem no cultivo de peixes. 

Alexandre Carvalho Wakatsuki.

Zootecnista

Consultor Técnico em Aquicultura

ZooPeixes Consultoria

 

Vanessa Olszewski 

Médica Veterinária 

MSc. Nutrição de Monogástricos UFPR 

Coordenadora Técnica Aleris Nutrition 

Itpsa nutri br 0722
BANNER Tabelas Brasil
perstorp-pt
ABvista
Relacionado con Aditivos
Últimos posts sobre rumiantes - Aditivos
Contenido sobre otras especies - Aditivos

MAIS CONTEÚDOS DE

Dados da empresa
zinpro robapaginas
Banner eu sou a voz do agro
Alltech rp
ABvista

REVISTA NUTRINEWS BRASIL

Assine agora a revista técnica de nutrição animal

SE UNA A NOSSA COMUNIDADE NUTRICIONAL

Acesso a artigos em PDF
Mantenha-se atualizado com nossas newsletters
Receba a revista gratuitamente em versão digital

DESCUBRA
AgriFM - O podcast do sector pecuário em espanhol
agriCalendar - O calendário de eventos do mundo agropecuárioagriCalendar
agrinewsCampus - Cursos de formação para o setor pecuário.